27 abril 2011

Meu Analfabetismo






De amor não entendo nada.

Quando tento uma rima,

Tempo perco e nervos em mim se afloram...






Suporto, sem sacrifícios, usando essa farda.


As palavras fogem, vira tudo uma cisma.


Chuva cai, sol aquece, novas manhãs despertam...






De amor, só posso, com meu analfabetismo,

Falar com o olho da teoria,

Que sempre vê e nem sempre aprende...






Continuarei com meu otimismo,

Na esperança de encontrar algum dia,


Alguém que me faça não mais deficiente...








33 comentários:

Zélia Cunha disse...

Cátia querida, amor não se ensina, não se define: apenas acontece... Na rua, no mar, na piscina, até na dobrada da esquina. Basta apenas um olhar!
Tenha um bom dia! Beijos
Zelia

Jens disse...

Oi Cátia B.
Em matéria de amor, acho que somos todos aprendizes. Quando dizes que "as palavras fogem e tudo vira uma cisma", ecoas a sabedoria do sábio bardo da Velha Albion. Quando se trata de amor "os que muito falam, pouco fazem de bom", vaticinou Shakespeare. Mas louvo e compartilho o teu otimismo e espero, também, um dia encontrar quem me livre deste analfabetismo afetivo.
Bom ler versos que nos fazem pensar.

Beijo.

MARILENE disse...

Não há analfabetos no amor. O que acontece é que, quando a tempestade passa, nós nos esquecemos do quanto nos molhou.
Certamente, já fez riscos e rabiscos rsss,
e cada novo amor é como o despertar de um sentimento aparentemente desconhecido.
Bjs.

Anna Carvalho disse...

Ah mais essa minha amiga é charmosa demais na escrita...
Adorei Catita...beijos flor!!!

Sandra Ribeiro disse...

Parabéns pelo lindo blog!

Ives disse...

O que é o amor? Um vasto campo a ser cultivado? E quantas flores já não brotam da terra...abraços

http://ives-minhasideias.blogspot.com/

✿ chica disse...

Talvez deficiente e analfabeto seja quem se apresenta perto de ti.rsr, n~]ao tu! beijos,chica

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Catia
Somos todos analfabetos de amor, amamos por instinto, porque entender, ninguém entende.
Bjux

Celina disse...

Querida amiga, todos nós só aprendemos amndo não te preocupes muito com isto ele o amor vem de onde vc não imagina, e breve estais mestra de um grandde amor, gostei da tua poesia, por ser diferente, aí é que está o encanto. um abraço carinhoso Celina

HEIDY disse...

Que maravilha de poema poetisa.
Lindas suas palavras.
bjssssssssss

Eliete disse...

Cátia , você escreve muito bem e é a mais pura verdade.Como é difícil falar e viver o amor,mas mesmo assim não desistimos dele.bjs

A.S. disse...

Catia,

Se a vida não rima, porque haveria de rimar a poesia?!...
Esvreve as páginas da tua vida de forma intensa, vivendo todas as emoções, todos os sonhos, todos os desejos!... As rimas virão ter contigo para se moldarem ao teu corpo e construirem o poema!...


Beijos...
AL

Andressa disse...

Não entender é dar espaço pra sentir.

Vivian disse...

Olá,Catia!

Linda poesia!!Tomara que aches quem te "alfabetize"...procure! Acredito que quem procura sempre acha!
beijos

Vera Lúcia Duarte disse...

OI CATITA,
ANALFABETISMO NO AMOR? QUE GRAÇA! NUNCA HAVIA
PENSADO NESTES TERMOS. ACREDITO QUE AS IDÉIAS
NÃO SÃO COLOCADAS POR PURA TIMIDEZ.
BITOCAS.

tecas disse...

Olá, querida Cátia! Adorei todo o seu anafalbetismo, especialmente o primeiro!
«De amor não entendo nada.
Quando tento uma rima,
Tempo perco e nervos em mim se afloram...»
Lindo. Tem estilo a sua escrita.
Bjito e uma flor

Dave disse...

Bom, todo mundo diz que amor não se aprende, não tem receita e nem nada, apenas se sente, vai ver é isso mesmo.

Valeu pela visita, viu? Volte mais vezes =)

Beijo!

Amapola disse...

Boa tarde, querida amiga Cátia.

Lindo poema. Que Deus coloque no seu caminho, alguém que a mereça.

Um grande abraço.
Felicidades.

silvioafonso disse...

.

Pois a hora é agora.
- Dê-me a mãe e feche os
olhos. Não há necessidade
de entreabrir os lábios,
já que eu a levarei para
o centro das letras e não
à vertigem do beijo.
Aqui aonde estamos, você
e eu, é o centro de todos
os apegos, de compreensão
e de outros sentimentos,
da formação de palavras e
da arquitetura de frases,
de textos.
Depois de agora, logo,
logo e sem demora, você
não será mais analfabeta
de poesia, de versos, de
rima, de letras e de amor.

silvioafonso





.

helio.rocca disse...

Um belo poema, com muita sinceridade e lirismo. Adorei!

Van disse...

Vc foi perfeita no no seu não falar de amor.

Essa deficiência se curará em uma troca de olhar um dia, que irá fazer uma fonte em você brotar milhões de metros cúbicos de palavras por minuto, verá.

Beijos Cátia

Juliana Vidal disse...

Que texto maravilhoso!! Realmente quando se ama tudo é permitido e não há analfabetos e sim sonhadores. Beijosssss

por Rapha C.M. disse...

Olá Catia! Adorei a poesia! ...No amor, o aprendizado é eterno!
Passando para conhecer o blog!
Um Abç!

* Verinha * disse...

Há sentimentos que não tem como transportar para as palavras.. só mesmo sentindo-os!

Beijocas super em seu coração Catia!

Verinha

F.H.Canata disse...

Na matéria do amor, eu também sou repetente, mais também aprendi a ser paciente. Uma hora o sol se abre, as nuvens se espalham e tudo vira claridade!
O Importante é continuar tentando. Sempre. O Amor, assim como quase todas as matérias da vida, retribuem os persistentes um dia!

Bjs!

Catia Bosso disse...

Olá Pessoas Lindas! Rara beleza que encanta meu blog, afff, quanto comentário lindo, de peso-pesado mesmo... Grata! Grata por me incentivarem a me curar do meu analfabetismo e por me incentivarem a cada dia escrever mais e mais as minhas mal traçadas linhas...
Agradeço desde as visitas de beija-flor até as mais demoradas que fazem versos e brincam com as letras nesses comentários, abraço e beijo cada um...

Poetas Insanos disse...

No amor todos nós somos pós graduados,
embora as vezes deixamos escapar partes da matéria. Mas desde o mais intelectual ao mais ignorante, precisa e busca a vida inteira pelo tão procurado e desejado amor.
Bela poesia, um abraço!

Paulo Francisco disse...

E vamos aprendendo de vagarzinho... sem pressa... por toda vida.
Um beijo grande

joão da sorte disse...

kátia, creio que o amor não precisa ser compreedido, apenas vivido.

Jasanf disse...

Amai-vos e deixai viver o sentimento nobre do eu-lírico. Lindo poema!

Leonard M. Capibaribe disse...

Sentimento, criação, palavras, emoções... Tudo de uma pureza e maravilha sem comparação... Você escreve muito bem! Estou seguindo agora mesmo!

Marli Boldori disse...

Cátia,tantos são os analfabetismos em muitas emoções,atitudes,ações,porém jamais deixemos o analfabetismo apagar o mais nobre sentimento do mundo:o Amor....
Muito lindo seu poema,porém eu sou analfabeta para ler nas entrelinhas...
Um grande abraço!

Bela disse...

Que leve forma de ver o amor e de se deparar diante do enigma que ele representa!
Ja te sigo!
Abraços.