15 setembro 2010

VULCÃO

 
VULCÃO

Me perdi em devaneio
E acordei em seu meio
Meio juizo, meio conceito!

Meio louco, meio forte!
Palavras criei, meio sem sorte!

Envolta em sonho e relance
Pratiquei você em sensação
Auge em plena recessão de emoções!

Esse fogo que me consome
Me arde por baixo
Me invade as entranhas
Com extase em show de façanhas!

Tudo com vontade e verdade
Longe de ser infâmia,
Tenho fé e esperança desde a infância!

Quero seu colo, seu cheiro, seu sexo!
Quero me perder em seus caminhos
Quero ter pouco juizo e nenhum nexo!

Explosão de prazer
Alvo para se mirar e ter
Algo bem aquecido
em pleno Vulcão!


Catia Bosso ( em homenagem a dois corações/corpos q se cruzaram um dia)

4 comentários:

Eurico Rocco disse...

Linda poesia

Mada Monteiro disse...

Bom momento vivido!
Linda inspiração!

Paulo Francisco disse...

Gosto desta sensação de volume que este seu poema tem.
Um beijo

Anônimo disse...

bela poesia